Gestão fiscal

“Sim, é isso que eu precisava saber!” Tire suas dúvidas sobre gestão fiscal e veja se a sua empresa está fazendo tudo de maneira correta.

Os números da gestão fiscal no Brasil preocupam! Segundo dados do IBRACEM (Instituto Brasileiro de Certificação e Monitoramento), 86% das empresas brasileiras estão com algum tipo de pendência em órgãos municipais ou federais.

Espero que a sua empresa não faça parte dessas estatísticas, no entanto, para ter total segurança quanto a esse mérito, é fundamental que todo empresário leia o conteúdo até o final.

Reflita: como está a gestão fiscal da sua empresa? O controle é o mais eficiente? O regime tributário é adequado e os impostos que são pagos são mesmos os corretos? Entenda a partir de agora!

1. O que eu preciso ter para fazer uma gestão fiscal eficiente na minha empresa?

O seu controle fiscal é automatizado? Através de um sistema de ERP (Enterprise Resource Planning), por exemplo, a gestão fiscal da empresa é feita de forma integrada, juntando todos os dados do fisco. Dessa forma, o monitoramento fica muito mais eficiente, com um controle maior e informações precisas.

Outro ponto importante é implementar uma rotina de armazenamento das notas. Assim, é mais difícil perder algum papel e ter que repor depois, enfrentando mais gastos e retrabalhos. Além disso, um sistema de emissão de notas fiscais qualificado vai ajudar a controlar todo esse processo.

Não esqueça de deixar o seu contador por dentro de tudo que acontece na sua empresa em relação à emissão e controle de notas fiscais. Se você não conta com um contador dentro da empresa, certamente tem um escritório de contabilidade contratado.

Organize-se! Como vai acabar lidando com notas fiscais eletrônicas e notas físicas, organize elas de maneira adequada. Fique atento aos prazos e não deixe acumular papéis.

2. Quais os impostos que a minha empresa precisa pagar?

Para facilitar o entendimento do que uma empresa precisa pagar, separamos os principais impostos e contribuições: âmbitos federal, estadual e municipal!

No âmbito federal:

  • Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas – IRPJ;
  • Contribuição Social sobre o Lucro – CSLL;
  • Programa de Integração Social – PIS/Pasep;
  • Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social – COFINS;
  • Previdência Social – INSS;
  • Imposto sobre Produtos Industrializados – IPI.

No âmbito estadual:

  • Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços – ICMS.

No âmbito municipal:

  • Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza – ISS.

Simples Federal: vale lembrar que as empresas enquadradas no Simples Federal também estão sujeitas a todos os tributos federais, entretanto, consolidados em uma única guia, como uma “cesta de tributos” (IRPJ, PIS/Pasep, CSLL, COFINS, INSS).

3. Em qual regime tributário a minha empresa pode ser enquadrada?

Optar pelo regime tributário adequado para a sua empresa é essencial para a saúde financeira e gestão fiscal. Um critério que não pode ficar de fora é a receita bruta anual (faturamento).

Veja quais são os sistemas tributários:

  • Simples Nacional ou Super Simples: podem optar pelo Simples, as empresas com faturamento anual de até 3,6 milhões de reais. Nesse sistema, os tributos fiscais são reunidos em uma única guia — com exceção do FGTS;
  • Lucro presumido: voltado para empresas com faturamento de até 78 milhões de reais por ano, é um sistema tributário vantajoso para organizações com taxas altas de lucros e custos operacionais menores;
  • Lucro real: em situações onde o lucro anual é superior a 78 milhões de reais, adota-se o lucro real. A opção é favorável às empresas com baixa lucratividade e altas despesas, tendo em vista que algumas tarifas são cobradas em regime não cumulativo.

4. Minha empresa pode ter algum benefício fiscal?

Empresas que adotam o regime tributário Simples Nacional não têm direito aos benefícios fiscais promovidos pelo Estado. O motivo? Porque já contam com a simplificação de várias operações a partir do regime tributário que escolheram.

Por outro lado, existem benefícios fiscais relacionados a reduções de tributos que envolvem empresas de outros regimes tributários. Fique atento, converse com o seu contador e veja em quais deles você se encaixa.

5. Como fazer um bom controle da emissão de notas fiscais na minha empresa?

É essencial que a empresa trabalhe com um sistema de gestão e emissão de notas fiscais! Como todos os municípios estão adotando as notas fiscais eletrônicas, isso vai facilitar a comunicação entre o emissor, o consumidor e o governo. Sem contar na praticidade, economia e sustentabilidade (diminuição de papel).

Como a emissão gratuita que era feita pela Secretaria da Fazenda (SEFAZ) foi desativada, as empresas precisam ter sistemas que desempenhem essa função.

Ao adquirir um software qualificado, a empresa vai gerir bem os documentos fiscais, cumprindo ainda as suas obrigações legais e facilitando o trabalho diário.

 

Ao saber o que é necessário para uma gestão fiscal eficiente, a sua empresa não enfrentará problemas com pendências. Aproveite ainda os benefícios que as leis fiscais brasileiras oferecem!